Biblioteca Virtual da América Latina

Biblioteca Virtual da América Latina

América Latina

Porto Rico

Nome oficial: Estado Livre Associado de Porto Rico
Localização: Caribe; banhado ao norte pelo Oceano
Atlântico e ao sul pelo mar das Caraíbas; limitado a leste com as Ilhas Virgens e a oeste com a República Dominicana
Estado: Estado Livre Associado
Capital: San Juan
Idiomas: Espanhol e Inglês
Moeda: Dólar norte-americano
Superfície: 8.870 km²
População: 3.995 milhões
Clima: Tropical
Data de independência: 25 de julho de 1952
Constituição: Estatuto Jurídico de Autonomia 25 de julho de 1952

O arquipélago que compõe o território porto-riquenho é constituído pela Ilha de Porto Rico, a menor das Antilhas Maiores, e de outras ilhas se destacando Vieques, Mona e Culebra todas situadas no Caribe ocidental. Porto Rico é banhado ao norte pelo Oceano Atlântico e ao sul pelo mar das Caraíbas; faz fronteira a leste com as Ilhas Virgens e a oeste com a República Dominicana. Ocupa uma posição de destaque no Mar do Caribe, estando numa situação geográfica estratégica influenciando a sua história. A ilha era habitada pelos índios Aruaques, conhecidos como Taínos, quando foi descoberta por Cristóvão Colombo em sua segunda viagem ao Mundo Novo em 19 de novembro de 1493, um ano após a descoberta de Cuba em 1492 e cujas histórias estiveram estreitamente interligadas devido ao sistema adotado pela Espanha para as frotas inter-atlânticas. A ilha era chamada pelos índios de Barikén, e Colombo deu o nome de Ilha de San Juan Bauptista; posteriormente foi nomeada Porto Rico e San Juan tornou-se sua capital e a primeira parada dos navios vindos da Espanha como porto de abastecimento e bastião militar para a defesa da frota, enquanto Havana, em Cuba, era escala para as viagens de retorno para o reabastecimento dos barcos de regresso à Europa. A ilha de Porto Rico transforma-se num ponto de primeira parada das frotas e dos colonizadores que vinham com o objetivo de se estabelecerem no México ou Peru devido às riquezas minerais. Os que permaneciam buscavam o interior favorecendo a miscigenação com os indígenas, que se tornaram escravos juntamente com os negros trazidos pelos colonizadores. No entanto, os escravos fugitivos de outras ilhas caribenhas, eram considerados livres pela Espanha que adotava essa medida em razão das investidas de franceses e ingleses tornando-se conveniente como estratégia de controle do território. Essa situação favoreceu a introdução do colonialismo citadino que permitia a livre distribuição de camponeses por toda a ilha, e a mescla de etnias seria o primeiro pavimento da formação social porto-riquenha, e no final do século XVIII o colonialismo espanhol intensifica a agricultura e a ampliação da vinda de escravos africanos. Com a Revolução de independência Haitiana em 1804, cresce nas primeiras décadas do século XIX a importância de Porto Rico na indústria açucareira e posteriormente cafeeira, cujo principal mercado era os Estados Unidos. A partir de 1868 iniciam-se os movimentos de separação, e em 1870 surgem os primeiros partidos políticos que criam o reformismo 'possibilista', consubstanciado em raízes culturais da ilha que consistia em negociar o 'possível' com a Espanha; dessa forma em 1897 é aprovada a Carta Autonomista para Porto Rico e o sufrágio universal masculino. Em 1898, devido à Guerra Hispano - Cubana - Americana, as tropas norte-americanas ocupam Porto Rico finalizando o colonialismo espanhol e ao sistema autonomista. Inicialmente não houve resistência à ocupação, mas devido ao governo militar instalado e a pouca participação dos porto-riquenhos no processo de governabilidade em 1904 foi formada uma frente pela democracia surgindo o Partido União de Porto Rico que governou por duas décadas. No entanto, devido à concentração da propriedade fundiária e a crise econômica nas primeiras décadas do século XX, o país se viu cada vez mais dependente do mercado norte-americano que a partir da segunda guerra mundial inicia um processo de altos investimentos para a sua industrialização modificando a face do país. Em 1952, através de Assembléia Constituinte, a elite de Porto Rico, com o intuito de ampliar a liderança no país, propõe a Constituição do Estado Livre Associado de Porto Rico (ELA) proporcionando até o presente um nível considerável de governo próprio porto-riquenho e que subsidiou condições de crescimento econômico, desenvolvimento do aparato governamental mais moderno, de infra-estrutura, de saúde, entre outras áreas. Esse modelo, único na região, foi referendado em 1998 pela população, e tem sido objeto de estudos que consideram o país um caso especial de projeto que combina o seu pró-americanismo e sua latino-americanidade. Porto Rico é formado principalmente por planícies, colinas e montanhas escarpadas na zona sudeste do país ocupando mais de 60% de sua superfície, e a população é formada por brancos, negros, ameríndios, asiáticos, mestiços. A Fortaleza e Sitio Histórico de San Juan de Porto Rico é local considerado pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade.

Fonte: Guia geográfico ( www.guiageo-americas.com ); Enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2006; http://www.vmapas.com/maps/2419-2/Mapa_Politico_Porto_Rico_1976.jpg .

Saiba mais:

Memorial da América Latina
Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664 • 01156-001 • São Paulo/SP • Brasil
Tel: (55 11) 3823-4600 - Todos os direitos reservados - 2009